NOTICIAS
Voltar \ Portugal atrai 1,45 mil milhões em três meses

Portugal atrai 1,45 mil milhões em três meses

15 jul 2020
Portugal atrai 1,45 mil milhões em três meses
Omercado imobiliário português, na sua vertente mais comercial (escritórios, retalho, hotelaria e logística) conseguiu atrair nos primeiros três meses deste ano 1,45 mil milhões de euros, “batendo todos os recordes de investimento”, apontou a consultora bPrime, no seu Prime Watch.
Omercado imobiliário português, na sua vertente mais comercial (escritórios, retalho, hotelaria e logística) conseguiu atrair nos primeiros três meses deste ano 1,45 mil milhões de euros, “batendo todos os recordes de investimento”, apontou a consultora bPrime, no seu Prime Watch.

Um resultado que ficou marcado pela “venda de 50% da posição da Sonae, nalguns dos seus centros comerciais, impulsionando o setor do retalho para uma quota de mercado de 60%. O setor da hotelaria e dos escritórios somaram respetivamente 300 milhões de euros (21%) e 220 milhões (15%), em investimento imobiliário”, sublinha-se no relatório da consultora.

Recorde-se que a Sonae Sierra e o fundo de pensões holandês APG acordaram a venda de 50% do Sierra Fund, proprietário de seis centros comerciais em Portugal e Espanha, aos grupos seguradores Allianz e Elo. A transação que assegurou um encaixe financeiro de 525 milhões, envolve centros como o Colombo e o NorteShopping.

“Num ano atípico mantivemos a análise, pela qual o Prime Watch é reconhecido, mas decidimos adicionar alguns dados e comentários sobre o impacto desta conjuntura anormal, nestes primeiros meses de 2020. Embora o primeiro trimestre tenha sido um dos melhores de sempre no mercado português, a partir de abril, tudo se alterou e apesar de estarmos a assistir a sinais interessantes de retoma de atividade, essa tem vindo a ser assimétrica nos vários setores, com maior dinamismo nos escritórios e logística e ainda a aguardar por melhores tempos, no retalho e no turismo”, referiu Jorge Bota, diretor-executivo da bPrime.

O efeito da pandemia foi mais adverso no retalho, fruto do confinamento e do encerramento dos estabelecimentos comerciais, que se traduziram numa queda abrupta do consumo. Já o setor logístico está em sentido contrário, ou seja, “a pandemia foi-lhe favorável devido a um incremento vertiginoso do e-commerce, que expos a importância da logística ao garantir o fluxo entre o setor produtivo e o consumidor final”, aponta-se no estudo.

Já no segmento de escritórios, o mercado de arrendamento “continua a ser pautado pelo pré-arrendamento, que leva a que novos projetos cheguem ao mercado praticamente arrendados”, refere-se ainda.

Para este ano de 2020, da área prevista de novos projetos que ascende a 44.581m2 mais de metade já terá um ocupante final. A falta de oferta “não trouxe uma quebra nas rendas, tendo a prime atingido a fasquia dos 25€/m2”.

O Prime Watch prevê ainda “que vários investidores, com um perfil mais especulativo, venham a posicionar-se para adquirir imóveis ou carteiras inteiras no que diz respeito ao setor mais afetado pela pandemia (a hotelaria)”.

Fonte: Casa Sapo Noticias
 
Veja Também